Buscar
  • Seminário Nossa Senhora das Dores

“Foi para isso que eu vim”

Hoje, 5º Domingo do Tempo Comum, a liturgia da Igreja convida-nos a refletir o texto sagrado segundo São Marcos, situado no capítulo 1, entre os versículos 29 e 39. O centro desse Evangelho é a cura da sogra de Simão. Destaca-se que Simão é aquele que posteriormente será chamado Pedro. Ao encontrar-se com a mulher desfalecida sobre a cama, Jesus a segura fortemente, concedendo-lhe a cura de uma terrível febre. O evangelista salienta que, após ser curada, a sogra de Simão começou a servir aos que estavam presentes em sua casa.

Ao entardecer do mesmo dia, outros doentes, bem como aqueles que estavam possuídos por espíritos malignos, foram também levados a Jesus, que, ao encontrá-los, realizou muitas curas. O autor sagrado nos diz que a cidade inteira se reuniu para contemplar aquele momento. No término daquele dia, quando já era madrugada, Jesus foi rezar em um lugar deserto. Seus discípulos foram a sua procura e, ao avistá-lo, ouviram do Mestre as seguintes palavras: “Vamos a outros lugares, às aldeias da redondeza! Devo pregar também ali, pois foi pra isso que eu vim”. (Mc 1, 38).

O Evangelho proposto para hoje, possibilita-nos muitas reflexões. Ao olharmos com profunda atenção sobre as últimas linhas do texto sagrado, percebemos que Jesus estava profundamente consciente de sua missão. Ao retirar-se do lugar em que estava e recolher-se sozinho em oração, Jesus percebe que só poderá cumprir o projeto do Pai se estiver intimamente ligado a Ele. Quando diz aos discípulos que deveriam ir ao encontro de outras pessoas pela redondeza, Jesus apresenta uma salvação que é para todos, e não simplesmente para um grupo reservado, de algum lugar específico.

As curas operadas por Jesus representam a nossa humanidade ferida e chagada por inúmeras doenças, sejam elas físicas ou espirituais. Todavia, o encontro pessoal com Ele, que denota um momento de conforto diante de algum problema ou dificuldade, não deve ser confundido ou minimizado como um espetáculo oportuno em que se alivia o fardo das dores do dia-a-dia. O encontro com Jesus é muito mais do que isso, ele nos provoca um atitude desinquieta, sobre a qual todos são inspirados e exortados a propagar essa boa notícia pelo mundo inteiro.

Jesus, o Filho de Deus, aquele que vem para cumprir uma promessa de amor e salvação, continua a passar pelas nossas aldeias, vilas, cidades e grandes centros. Abracemos, portanto, a salvação que chega não apenas para alguns, mas para todos nós que a buscamos e deixamos ser surpreendidos por ela.


Leonardo Rodrigues

1º Ano da Etapa da Configuração - Teologia