Buscar
  • Seminário Nossa Senhora das Dores

Jesus Cristo, Mestre e Educador

A educação é o tema por excelência tratado na Campanha da Fraternidade desse ano. Não sendo um tema escolhido ao acaso, sua importância é basilar, sendo a causa da solução de muitos problemas que hoje devastam a sociedade. Isso ainda se torna mais importante quando compreendemos que a educação é uma prática santificada por Jesus Cristo, que foi também um Mestre Educador

Assim lemos no texto base da Campanha da Fraternidade desse ano de 2022: “O Filho de Deus viveu, falou, foi educado e adorou o Pai como um judeu de seu tempo. Suas palavras e ações, seu método de ensinar estavam em sintonia com os costumes e as práticas da cultura semita na qual Ele se encarnou” (143). De fato, a encarnação do Filho de Deus acontece de modo integral, para que o ser humano seja salvo integralmente. Ao proclamar a presença do Reino de Deus, Jesus anunciou, ensinou e curou. Suas palavras, além de serem carregadas de esperança de eternidade, acalentavam e, em sua sabedoria, resgatavam o homem caído em sua fragilidade. O Divino Mestre falou com sabedoria e ensinou com amor.

Na pedagogia da oração, Jesus ensinou como deve ser a relação entre o fiel que reza e o Pai que está nos céus, ouvindo a oração: a relação filial. Sua pedagogia nunca é vazia, mas sempre carregada de sentido, como quando acontece o diálogo com a Samaritana e sua pedagogia a convida a uma conversão do coração.

Nos passos dos Apóstolos, a Igreja percebeu que a educação seria um dado imprescindível da missão. Isso é atestado pelo testemunho de seus santos que, através da educação, formaram muitas pessoas, que assim se santificaram e colaboraram na construção de uma sociedade mais justa e fraterna. A educação também é uma forma singular de fazer caridade. Esse movimento no seio eclesial surgiu por causa das desigualdades presentes no seio da humanidade, o que comoveu a compaixão de tantos que se atentaram para isso. Sua caridade se desdobrou também na educação, que foi vista por tantos santos não só como caminho do aprendizado humano, mas aprendizado das coisas de Deus, dos ensinamentos da fé.

A educação é integral nas coisas deste mundo, mas também no que se refere à transcendência, o que vai além disso tudo. A pessoa humana precisa ser envolvida no processo educacional para que suas capacidades e dons sejam aperfeiçoados, em vista do amor a Deus e ao próximo. Ou seja, educar e deixar-se ser educado e também caminho de humanização, santificação, salvação.

É importante ressaltar que toda a sociedade é responsável pela educação, e, em especial, a família. Ainda que não tenha a capacidade de oferecer uma educação acadêmica, a convivência familiar é lugar privilegiado para se fazer a experiência da fé cristã, ali onde se dão os primeiros passos na vida eclesial. Justamente por isso, ali se experimenta a cruz de Cristo nas crises que assolam os lares, mas também se experimenta a graça da sua redenção, pois é ali que se aprende por primeiro o amor que cada um deve exercitar nas relações, se aprende o perdão, a solidariedade. Nesses primeiros valores aprendidos em família, estão presentes as virtudes necessárias para o bom crescimento da criança, do adolescente e do jovem, valores que acompanharão a vida toda do indivíduo.

Que a boa educação transforme nosso mundo e renove a Igreja.

Cleyton Fernandes - Terceiro Ano da Etapa da Configuração