Buscar
  • Seminário Nossa Senhora das Dores

No trabalho, a dignidade e a alegria de comer o Pão

Ao contemplarmos o Ano Josefino, não pode escapar-nos aos olhos a figura de José Operário, um Pai que trabalhou, de modo honesto, para garantir o sustento de sua família; um Pai que ensinou ao Filho a dignidade e a alegria de comer o Pão fruto do próprio trabalho.

Na Patris Corde, o Papa Francisco nos recorda que o trabalho torna-se participação na própria obra da salvação, pois, por meio dele, as pessoas se colocam a serviço da sociedade e da comunhão. Aquele que trabalha, seja qual for a sua tarefa, colabora com o próprio Deus, pois se torna, em certa medida, criador do mundo que o rodeia. Na carta, o Sumo Pontífice ainda recorda a importância do trabalho para se manter uma estrutura familiar, pois uma família onde existe a carência do trabalho está mais exposta a dificuldades, tensões e até mesmo à tentação da dissolução.

Mediante isso, não há como não recordar de tantos irmãos e irmãs, que estão a nossa volta, enfrentando o desespero da busca por um serviço para melhorar a condição de vida de seus familiares. Quantos desses perderam seus empregos devido a essa pandemia da COVID-19, que prejudicou não somente a estrutura econômica das famílias, mas também a estrutura emocional e física.

Peçamos a José, Pai trabalhador, que interceda pelo fim dessa pandemia e por estes nossos irmãos e irmãs para que encontrem um bom serviço, que os proporcionem viver de maneira digna e, desse modo, possam, todos os dias de suas vidas, saborear o Pão e experimentar a alegria de uma conquista alcançada pela suas próprias mãos.


Daniel Mesquita Bressani

2º Ano da Etapa do Discipulado - Filosofia