Buscar
  • Seminário Nossa Senhora das Dores

“Ressurgiremos por crer nesta Vida escondida no Pão”



O Senhor ressurgiu, aleluia, aleluia!” Celebramos hoje o Domingo da Páscoa do Senhor. Após quarenta dias, o Aleluia volta novamente a ser entoado, anunciando deste modo que a morte fora vencida pela vida.

O Santo Evangelho apresenta-nos a personagem Maria Madalena indo até o túmulo onde Jesus estava depositado e não encontrando-O ali. Ainda confusa, Maria não toma consciência de tudo que aconteceu, ainda não compreende a ressureição de Jesus. A sua humanidade, o seu medo e também todas as suas frustações ofuscam os seus olhos. Assim também somos nós, que por nossa própria ansiosidade, por nossa própria descrença e insegurança, também demoramos a entender os sinais de Deus: não entendemos o sepulcro vazio como sinal de esperança.

Comunicando a Pedro e também a João, o discípulo a quem Jesus amava, estes vão logo procurar ver o que estava acontecendo. O verbo ver apresenta-se com demasiada importância no Evangelho proclamado: Maria Madalena viu, Simão Pedro viu e João também viu. Dos três, somente um acreditou: João. Esta chamada de atenção do evangelista mostra-nos que apenas ver por ver não é suficiente. É preciso ver e, antes de tudo, acreditar.

Debruçando o nosso olhar sobre as primeiras palavras anunciadas no Evangelho – no primeiro dia da semana (Jo 20, 1) –, é possível fazer uma alusão à Criação narrada em Gênesis: com a ressureição de Cristo, uma nova criação se apresenta, uma vida nova, com novas possibilidades.

A Ressureição de Cristo, após todo o sofrimento sofrido, mostra-nos que há sempre esperança. Que por mais que os momentos sejam difíceis, as tribulações sejam grandes, há sentido em acreditar, há sentido em sonhar e ansiar por dias melhores.

A Páscoa que hoje celebramos renova-se todos os domingos nas Celebrações Eucarísticas. Na Eucaristia – o Pão consagrado que esconde a vida – observamos sempre a passagem da morte para a vida: no Pão está a nossa Esperança! Que possamos então, com a Ressureição do Cristo, aprender que aqueles que confiam no Senhor estarão sempre bem amparados e, nessa confiança, entoar como o salmista que este dia da Ressureição “é o dia que o Senhor fez para nós; alegremo-nos e nele exultemos!”.


Guilherme Santos Nogueira – 1° ano da etapa Configurativa (Teologia)